Fiz. Faço. Farei.

terça-feira, 29 de março de 2016

Balanço desta Páscoa

O dia de Páscoa era um dos meus dias do ano favoritos. Saía pela rua a beijar a cruz em quase todas as casas da minha aldeia, comia um bocadinho em cada paragem, via imensa gente e até o cheiro das ruas nesse dia era agradável - cheirava às flores da Páscoa e a alecrim. Era um dia cheio de Sol e de reencontros com a família e os amigos que me traz boas recordações.
Hoje tudo mudou. Já não há pessoas na rua, já não cheira a alecrim nem muito menos tenho vontade de ir pela rua e entrar em casa das pessoas que não vejo durante o resto do ano. A tradição já não é o que era, por mais cliché que isto seja.
Para mim, mais do nunca, a Páscoa deste ano foi um verdadeiro frete. No Domingo é a Páscoa da minha aldeia e eu nem de casa saí. E ontem foi a Páscoa da terra do dito-cujo e, como vos digo, não foi nada de especial. Sobretudo porque estava um dia feio e chuvoso e porque se esta tradição já não significa nada para mim na aldeia que me viu crescer, muito menos posso gostar dela na terra dos outros.
Movida pelo espírito das férias escolares e por ver que todos os famosos foram gozar uns dias nos Algarves, no Sul de Espanha e em Bali, decidi que, para o ano, se já tiver ordenado, vou fazer o mesmo. Na Páscoa ninguém me apanha por estas bandas e vou apanhar Sol para uma qualquer praia desse mundo fora. Oh se vou!

1 comentário:

Jo disse...

Acredito que não deve ser realmente muito interessante... Nunca participei em nenhuma dessas tradições, para mim a Páscoa é só mesmo mais um pretexto para um almoço em família e eventualmente troca de amêndoas e chocolates e pouco mais.