Fiz. Faço. Farei.

sexta-feira, 19 de junho de 2015

Sei que vou guardar
Na alma um segredo.
Um estudante a cantar
E uma guitarra ao peito

Dizia:
Nos teus braços vejo o Mundo,
Sem pressa de embarcar.

Agora que chega a hora
Surge a memória
Do que vivi aqui.
Coimbra, ai quem me dera
Parar o tempo e ficar...

Quem neste largo escuta
Sente o medo e a tristeza:
Ir embora, ir à luta,
Não mais ver tua beleza

Coimbra:
Nos teus braços vejo o Mundo,
Sem pressa de embarcar.

Agora que chega a hora
Surge a memória
Do que vivi aqui.
Coimbra, ai quem me dera
Parar o tempo e ficar...
Nos teus braços vejo o Mundo,
Sem pressa de embarcar.

In Illo Tempore

Sem comentários: