Fiz. Faço. Farei.

quarta-feira, 3 de dezembro de 2014

Isto de ser delegada

Não é só ter um desconto na mensalidade. É ter de estabelecer regras para quase 30 raparigas, é ter de delimitar prateleiras em frigoríficos que são poucos para tanta gente, é ter de garantir que há sempre líquido da loiça, fósforos, detergente para o chão. É conferir se a escala de limpezas foi cumprida e ir cobrar a multa às que não fazem a parte delas. É entregar papel higiénico no início de cada mês. É chamar a atenção para as queixas da funcionária da limpeza. É ter esperança que o responsável despache os nossos pedidos de manutenção/arranjo dos electrodomésticos. É limpar [muitas e muitas vezes!] aquilo que outras sujaram. É sentir sempre uma responsabilidade em manter tudo impecável.
Enfim, é um sem número de situações com que eu tenho de lidar, mesmo quando não me agradam. Porque eu sou "apenas" a delegada. Não sou mãe de nenhuma delas, não sou educadora, não sou chefe. Sou a pessoa eleita para gerir um grupo de raparigas que, às vezes, esquecem-se que vivem em comunidade e que aquilo não é a casa delas, na qual podem deixar tudo de qualquer maneira, com lixo até ao tecto se for preciso.
Ainda assim, eu gosto de ser delegada e gosto destes desafios, que me obrigam a sair da zona de conforto e ter de "ir dar na cabeça" de alguém. Nem sempre é fácil, em especial quando algumas já não ligam e, pior do que isso, já não mudam e não. Mas cabe-me fazer o meu papel. Não sei se o faço da melhor maneira, mas faço como acho que deve ser feito e como me sinto capaz de o fazer. E se por três anos seguidos tenho esta função, é porque o faço bem. Ou será que não?

1 comentário:

Layanne Eduarda disse...

É uma tarefa difícil, ninguém muda ninguém, e estas dai sem dúvidas vão ter uma bela casa, nãoo vão? ;)

E se estás a três anos com essa função, claro que és boa com isso. :)