Fiz. Faço. Farei.

segunda-feira, 22 de julho de 2013

Precisamente

da Martine, do À Procura da Terra do Nunca

"Com o tempo, quanto mais madura e segura de mim mesma me tornei, mais verifiquei que eu há poucos anos atrás ainda fazia parte de um grupo mundial de pessoas cujo coração acredita no bem dos outros sem sequer pestanejar. Eu acreditava piamente que as pessoas tinham o direito de errar sempre, porque eram humanas. Eu acreditava que se amasse alguém, isso bastaria para que a pessoa nunca me desiludisse. Achava que o meu amor por essa pessoa bastaria para que a pessoa, ciente do meu amor, se acautelasse com as suas acções. (...) Acreditava no bem das pessoas. No lado bom. Arranjava justificações para o seu lado mau. Era devido a algo que correra mal. Era devido ao mau tempo. Era devido a terem dormido mal. Era devido a estarem frustradas. Era devido às suas tristezas ou depressão. Era devido à chuva que naquele dia estava mais forte. Quanto mais segura de mim me tornei e quanto mais cresci mentalmente, mais me apercebi de que as pessoas têm o direito de errar, mas que se alguém errar grandemente connosco, ou mais do que as vezes aceitáveis, o mínimo que devemos de exigir à nossa própria auto-estima é que as arrasemos de tal maneira que nunca mais levantam um dedo para nos incomodarem. (...) Uma pessoa já muito sábia e com muitos anos na pele, disse-me, há dois anos atrás, que nós é que ensinamos aos outros como é que queremos que nos tratem. Se lhes ensinamos que nos podem tratar mal ou faltar-nos ao respeito, eles vão fazer exactamente como lhes ensinámos. Se lhes ensinamos que os amamos no matter what, eles vão testar essa teoria e fazer tudo o que lhes apetecer, porque afinal de contas, nós os amamos no matter what. Este é só o maior erro da história da humanidade. Gostarmos dos outros sem restrições ou racionalidade. Cada vez mais acredito que a racionalidade é um bem essencial às relações humanas. Se só racionalidade é bom? Não. De maneira nenhuma. Continuo a achar que podemos amar alguém com todo o nosso coração. Mas tenho a certeza absoluta de que devemos levar o nosso cérebro connosco."

Sem comentários: